1 de março de 2013

A Menina que Roubava Livros - Markus Zusak



Autor: Markus Zusak
Título original: The Book Thief
Edição: 02
Lançamento: 2010
Editora: Intrínseca
Páginas: 384

A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler.
Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade.
A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa deste duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto, um sucesso absoluto - e raro - de crítica e público.


"Quando a morte conta uma história você deve parar para ler." 

  Sim, a narradora de A Menina que Roubava Livros é a Morte. Mas não pense você que vai encontrá-la nesta história com foice, capa preta e o rosto apenas ossos. Muito pelo contrário, essa morte é completamente diferente de tudo que você já viu. Ela tem um coração que muitas nos mostra sentimentos puros, poucas vezes encontrado em um coração humano. Ela gosta das cores e as percebe sempre que uma nova alma deita em seus braços.

"A pergunta é: Qual será a cor de tudo nesse momento em que eu chegar para buscar você? Que dirá o céu?"- pág. 08

  Já o que dizer da nossa roubadora de livros? Ela desde muito jovem viu a morte do seu lado. Liesel Meminger e seu irmão estavam viajando para Munique, onde seriam entregues a pais de criação, mas seu irmão não conseguiu completar a viagem pois morreu na metade do caminho.
  Após o enterro do irmão Liesel foi para a casa de seus pais adotivos, na cidade de Molching na rua Himmel.

"Quem quer que tenha dado nome à rua  Himmel tinha, sem dúvida, um saudável senso de ironia" - pag. 21

   Os Hubermann seriam a partir de agora a nova família da roubadora de livros. Hans, o pai adotivo, era um pintor que ajudava a todos, não se importava que em sua casa pouca coisa houvesse o pouco que tinha sempre dividia. Adorava tocar seu acordeão e Liesel adorava ouvir.
  Já a mãe, Rosa Hubermann lavava e passava roupas para os cidadães mais abastados de Molching. Tinha a língua afiada e suas palavras preferidas eram "saumensch" e "saukerl". Liesel levou umas boas sovas de colher de pau de Rosa, mas não deixe a aparência de durona enganar você, Rosa ama muito Liesel, só tem uma forma diferente de mostrar.
   Na rua Himmel, também reside a família Steiner, composta por seis filhos, sendo um deles Rudy que vem a se tornar o melhor amigo de Liesel e seu companheiro para as horas boas e ruins.

"A única coisa pior do que um menino que detesta a gente
um menino que ama a gente" - pág. 38

  Além de ser o melhor amigo de Liesel, Rudy também era apaixonado por ela  e sempre que possível pedia um beijo para sua "saumensch". Conforme o tempo vai passando a guerra vai aumentando e aproxima cada vez mais da rua Himmel. A comida vai ficando escassa e as dificuldades vão aumentando, mas a nossa roubadora de livros nunca deixa de roubar um livro para si. 
  A Menina que Roubava Livros é um desses livros que você não pode deixar de ler. Liesel é uma personagem forte apesar da pouca idade. Outra característica dela que me chamou a atenção é a sua paixão pelos livros. Ela usa o mundo da leitura para escapar da realidade de uma Alemanha Hitlerista.
 Os personagens são humanos e seus sentimentos vívidos, o autor teve muita sensibilidade ao retratar do cenário de um país em guerra. Me emocionei muito ao ler este livro. Não é a toa que ele é o livro mais desejado do skoob e está a mais de 200 semanas na lista dos mais vendidos do New York Times.

0 comentários:

Postar um comentário