4 de janeiro de 2014

Extraordinário - R. J. Palacio


Título original: Wonder
Autor: R. J. Palacio
Edição: 2º Edição
Lançamento: 2013
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.
Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade - um impacto forte, comovente e, sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo tipo de leitor.


Auggie nasceu com uma síndrome rara, a Sindrome de Treacher Collins (também conhecida como disostose bucomaxilofacial), uma doença genética caracterizada por deformidades crânio-faciais. Desde muito pequeno ele passou por diversas cirurgias e para a incredulidade dos médicos, que não acreditavam em sua recuperação, ele ficava mais forte a cada uma delas.  Se ter o rosto severamente deformado já não fosse bastante, Auggie também tem a saúde muito fraca o que o impediu de ter uma vida normal como as outras crianças, claro que ele brincava, jogava games e afins, mas nunca pode frequentar uma escola sua mãe o ensinou tudo o que ele sabe em casa.

Agora aos dez anos e prestes a ingressar no 5° ano, sua mãe decide que este é o momento certo para que Auggie ingresse em uma escola, afinal essa é a oportunidade dele realmente amadurecer e deixar de se esconder do mundo. Se para uma criança dita normal o primeiro dia de aula em uma escola nova já é horrível, imagine como não será para Auggie?

Logo nos primeiros dias ele já tem que enfrentar as piadinhas, medo, e até mesmo o nojo de seus colegas. Acustumado desde sempre a essas reações Auggie não se abala muito, mas isso não significa que dói menos. Mas para sua sorte ele irá encontrar pessoas boas nessa nova jornada que irão lhe dar todo o apoio necessário, e juntos mostrarão que a gentileza é a melhor coisa do mundo.

Não tenho palavras para descrever o quão lindo e emocionante é este livro, dúvido que qualquer pessoa que o leia não acabe tendo uma nova forma de ver o seu semelhante. Sério, muitas vezes me peguei pensando como seria se EU  fosse o Auggie, será que eu teria coragem como ele? Sei que está é apenas uma história de ficção, mas também sei que a síndrome de Teacher Collins é algo real e que por mais rara que seja,  1 a cada 40.000 crianças nascidas vivas sofrem desta anomália.

Extraordinário é uma lição de vida, tendo os pontos de vista de amigos, familiares e até o do próprio Auggie, nós vemos como cada pessoa tem uma forma de ver uma mesma situação. Para quem ainda não teve a oportunidade de ler eu só digo uma coisa, LEIA! Tenho certeza que não irá se arrepender.

Curiosidades:
  • Para espalhar a mensagem sobre a importância da compaixão, aceitação e gentileza, a autora iniciou uma campanha anti-bullying no site www.choosekind.tumblr.com, da qual milhares de crianças já participaram.
  • R.J. Palacio estava em uma sorveteria, acompanhada de seus dois filhos, quando se aproximou de uma menina com uma grave deformidade facial. Assustado, o mais novo, de 3 anos, começou a chorar bem alto e o de 10 pareceu alarmado. Rapidamente, ela tirou os meninos de perto − não por eles, mas para não magoar a garotinha. A autora nunca mais voltou a vê-la, mas não conseguiu parar de refletir sobre o ocorrido. “Eu comecei a pensar em como devia ser a vida para aquela família, para aquela menina.” Aquela situação provavelmente se repetia dezenas de vezes por dia. Centenas, talvez. E o que ela poderia ensinar aos seus filhos para que eles pudessem entender e se portar melhor da próxima vez?



0 comentários:

Postar um comentário