7 de abril de 2014

Leituras do Rafael: A Hospedeira - Stephenie Meyer


Título original: The Host
Autor: Stephenie Meyer
Edição: 01
Ano: 2009
Páginas: 557
Editora: Intrínseca
Adicione: Skoob
Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo. Quando Melanie, um dos humanos "selvagens" que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Peregrina, a "alma" invasora designada para o corpo de Melanie, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vívidas. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente. Peregrina investiga os pensamentos de Melanie com o objetivo de descobrir o paradeiro dos remanescentes da resistência humana. Entretanto, Melanie ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Jared, que continua a viver escondido. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Peregrina começa a se sentir intensamente atraída por alguém a quem foi submetida por uma espécie de exposição forçada. Quando os acontecimentos fazem de Melanie e Peregrina improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que ambas amam.

Lendo essa sinopse, até parece que se trata de uma história legal e interessante né? Pois é, só parece. Primeiro tenho que falar que eu odeio crepúsculo, acho essa saga uma das coisas mais toscas já escritas ou filmadas, porém, eu não tenho nenhum tipo de preconceito, tanto é que li esse livro da mesma autora, a “talentosíssima” Stephanie Meyer, e senhoras e senhores, me arrependia profundamente a cada página lida.
Antes também tenho que falar que eu nunca abandono um livro, mesmo ele sendo horrível e sofrível, que é esse o caso, eu jamais abandono, sempre termino. (Como eu gostaria de ter abandonado esse kkk)

Bom, agora vou falar um pouco da escrita. Stephanie Meyer nos “presenteia” com uma encheção de linguiça do início ao fim. Eu acho que ela adora triângulos amorosos, e quando você acha que um triângulo amoroso entre uma adolescente bocaberta, um vampiro brilhante e um lobo que não tem grana pra comprar camisetas é a pior coisa que você vai ler, eis que ela nos trás outro triângulo, só que dessa vez com dois humanos e uma alienígena, sendo que a alienígena está apaixonada por um e a hospedeira por outro... eeeee coisa sofrível.

É isso leitores, a Hospedeira é uma história sofrível e entediante. Pra vocês terem noção, eu normalmente leio um livro em pouquíssimo tempo, dependendo do livro, leio em dois ou três dias. A hospedeira eu comecei a ler em Outubro do ano passado. Sim, levei longos 3 meses pra terminar e olha que eu achei que nunca ia terminar.

Esse livro não tem história, é difícil entender os detalhes, é tedioso. As coisas que Meyer criou, como as viagens que Peg fez a outros planetas, os nomes que ela tinha nesses outros planetas, o que ela era, cara, é algo absurdo, chega a ser engraçado.

O livro nos conta uma história que poderia ser incrível. Os alienígenas invadiram a terra e suas almas foram colocadas dentro dos corpos humanos, então todos viraram os HOSPEDEIROS dessas almas. Até ai tudo bem. Eis que nos é apresentado Melanie Stryder, uma das últimas humanas sobreviventes. Ela está escondida com seu irmão Jamie e seu namorado Jared. Um dia quando ela está prestes a ser capturada ela tenta cometer suicídio, para que a Buscadora (almas que tem o dever de buscar humanos) não coloque uma alma em seu corpo e descubra onde estão escondidas as pessoas que ela ama. Seu suicídio falha e dentro dela é colocada alma de Peregrina, a Peg. Até ai eu achei que o livro ia ser maravilhoso mas...

Bom, a sequência dessa história é algo deprimente. Acontece que Melanie ainda está viva na cabeça da Peg e essa faz com que ela vá até o esconderijo dos outros humanos. Lá ela encontra seu irmão, seu namorado e muitos outros humanos. Só que quem está lá não é a Melanie e sim Peg, e todos tentam matá-la menos seu tio Jeb. Aos poucos Peg tem que conquistar a confiança de todos e provar que Melanie ainda está lá.

Aí Meyer coloca o romance babaca na história. Outro humano, Ian, se apaixona por Peg e vira o maldito triângulo amoroso e torna a história chata, cansativa e sofrível. As coisas que acontecem a partir daí chega a ser deprimente e se eu contar darei muitos spoilers, mas garanto leitores, não leiam esse livro pelo amor de Deus. A história é tão ridícula quanto crepúsculo.

E pra terminar de vez, tenho um desafio valido somente pra quem leu o livro por inteiro. Na real só quero provar minha tese. Eu achei um erro escroto nesse livro e gostaria que alguém me tirasse essa dúvida. Lá vai
Quem leu o livro sabe que as ALMAS que invadiram os corpos humanos são tipos umas amebas azuis que não tem força pra nada certo? Além de serem frágeis demais. E quem leu o livro também sabe que para colocar uma alma dentro de um hospedeiro humano, é necessário fazer um corte na nuca e colocar a alma dentro, correto de novo? Estão me entendendo? Ai é que ta... Sé as almas são frágeis e é necessário fazer um corte na nuca pra colocá-las dentro dos corpos humanos, COMO ELES DOMINARAM O MUNDO? QUEM FOI O PRIMEIRO HOSPEDEIRO E COMO ESSA ALMA ENTROU NO CORPO? QUEM FEZ O CORTE? COMO ELES CHEGARAM À TERRA? EM FORMA DE ALMA? QUEM COMEÇOU TUDO ISSO? Eu li todo o livro e nada disso é respondido e eu acho que isso é uma grave falha. Espero que algum leitor possa me responder

9 comentários:

  1. Olá

    Que pena que o livro não te agradou em nada, nada mesmo.
    Suas perguntas no final do post são bastante pertinentes e eu também pensei sobre isso durante a leitura, mas sinceramente não foi algo que me incomodou a ponto de não gostar do livro.
    Triângulos amorosos são sempre irritantes, mas talvez por ter gostado de A Hospedeira não tenha visto as coisas por esse ângulo.
    A saga Crepúsculo não é excelente, mas sua adaptação é bem pior.
    Eu gosto de A Hospedeira e fiquei triste por saber que o livro terá continuação. Estava bom onde parou.

    Caline
    mundo-de-papel1.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Jessica, tudo bem?

    Engraçado, normalmente ouço a galera falando que esse livro é bem melhor que Crepúsculo e tal. De qualquer forma, pra mim nem adianta. Não curto a escrita da Stephanie, então nem leria esse livro. Mas gostei mt da sua resenha e dos pontos que vc ressaltou. Infelizmente não sei responder a sua pergunta sobre como surgiu o primeiro hospedeiro HUAHUAHUAHUA

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  3. Palmas...Palmas UhuulllL
    Enfim né!!
    Bem eu li os livros da Mayer, achei valido pelo fato que várias pessoas leram ( pessoas essas que nunca tiveram contato com a leitura) contudo não foi essa aclamação toda no seus livros. Achei a leitura válida...
    Li esse livro na minha terceira tentativa e só o fixz por ter sido o único livro que levei em uma viagem bah!
    pensei em parar mas fui em frente, até que foi ~~ mas concordo com todos os pontos que mencionou em sua resenha, isso aí!
    Sinceridade sempre, amei
    Beliscões da Máh ♥

    ResponderExcluir
  4. Quando o livro ta muito chato eu não consigo continuar, abandonei tantos rsrs
    Minha mania: Se não está gostando o melhor é ir pro próximo do que perder tempo.
    Ah, eu indiquei o blog para uma tag:
    http://cheirinhodolivro.blogspot.com.br/
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Ainda não tive vontade de ler esse livro... e agora tenho ainda menos...rs
    www.corujicesnomundo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Acho que você não gostou pq demorou muito tempo para ler! Achei o livro bom... A grande maioria dos livros têm triângulos amorosos. Não gostei muito da resenha, desculpa... kkk
    http://smellingbooksallday.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Eu li "A Hospedeira", mas ao contrário de você eu acebei curtindo (minimamente) a história. A proposta é bacana e por ter lido "Crepúsculo" antes, qualquer outra coisa da autora seria mais válida do que a história dos vampiros que brilham no sol. Mas ok, "A Hospedeira" poderia ter sido sensacional, mas acredito que faltou mais habilidade da Meyer para explorar em detalhes essa situação que ela criou. O meu problema maior não é nem com o triângulo amoroso, mas sim com as falhas como essa que você apontou no final da resenha, se houvesse uma maior exploração dessas "almas" em um âmbito maior, acredito que o livro teria conquistado mais sucesso. Enfim, mesmo que a Meyer continuasse a escrever mais livros, os que eu já li já foram suficientes para eu entender que ela não é uma das leituras que funcionam comigo.

    http://lereincrivel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Cara, sua resenha foi ótima! haha. Nunca tinha visto uma resenha tão negativa sobre esse livro e confesso que gostei, rs. Nunca li nada da Stephenie, mas eu até gostei um pouco dos filmes de Crepúsculo, não acho que seja uma história ruim '-' Tô até querendo ler os livros.
    Beijos,

    Letícia - http://www.odomdaescrita.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oooi!
    Ah, eu não acho que esse livro seja tão horrendo assim. Eu demorei dois meses pra chegar à página 200, mas depois disso finalizei em dois dias. Eu curti a Peg e o Ian, o Jared e a Melanie que me deram raiva. Casal mais sem noção... Peg e Ian são fofos pelo menos. Eu gostei do livro no geral, é melhor que Crepúsculo. Meu medo é isso de transformar em trilogia agora, não quero que enrole demais e f*** com tudo.

    Quanto à sua pergunta, é válida e acho que foi um erro grave também, mas ficou pra imaginação. As almas possuem corpos, qualquer um, não importa se humano ou não. Eu imagino que as primeiras almas chegaram à Terra no corpo de outra raça alienígena, e se disseminaram por aqui, se livrando dos antigos hospedeiros. É a única coisa que consigo pensar que faça sentido.

    Beijos!
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir