3 de maio de 2014

Minha última Duquesa - Daisy Goodwin


Título original: My Last Duchess
Autor: Daisy Goodwin
Edição: 01
Ano: 2013
Páginas: 379
Editora: Fundamento
Adicione: Skoob
"Beleza, fortuna, admiradores e a arrogância ingênua de acreditar que o dinheiro lhe abriria todas as portas era do que uma jovem precisava para ser feliz nos Estados Unidos no final do século 19. Cora Cash tinha tudo isso. Mesmo assim, lhe faltava o que alguns consideravam o mais importante: um título de nobreza. Por isso, para conseguir um casamento que lhe garantisse um status social inabalável, ela partiu para a Inglaterra aos 18 anos. A primeira impressão do novo país não foi nada boa - a aristocracia era fria e hostil, dominada por intrigas e fofocas. Mas a situação ficou ainda pior quando Cora se apaixonou por um homem que mal conhecia... e entrou em um jogo com regras desconhecidas e que tinha como único prêmio a própria felicidade."


Quem acompanha o blog sabe que meu estilo literário preferido são os romances históricos. Poder ser transportada para outra época é maravilhoso. Sendo assim não é de surpreender que ao solicitar meu livro de abril da editora Fundamento eu escolhi Minha Última Duquesa.

Não conhecia o livro e a autora, para mim era uma grande incógnita o que eu iria encontrar nesta história. Comecei a leitura e de cara já percebi que esse seria um livro diferente de tantos outros que li. Diferente não quer dizer que seja ruim, apenas que não é aquele tipo de história que faz com que você torça pelo casal de protagonistas.

Cora Cash é uma herdeira americana apaixonada por um rapaz, que mesmo sendo de uma família respeitável e com uma situação financeira aceitável, é visto com maus olhos pela sra. Cash, pois o sonho dela é que a filha se case com alguém que possua um título. Sendo assim Cora deixa seu amado americano e parte para a Inglaterra em busca de um nobre para ser seu marido.

Chegando na Inglaterra ela conhece o Duque Ivo, um homem amargurado que precisa casar-se por dinheiro. A esposa perfeita aparece quando ele encontra Cora, uma herdeira à procura de um título é tudo o que ele precisa. Desde o início ele deixa claro que essa união é somente por interesse, amor não entra no pacote.

O mote casamento de conveniência é muito comum nos livros de romances, quem lê esses livros sabe disso. E a maioria tem um enredo tão envolvente que faz com o que leitor realmente se apaixone pelos personagens e desde o início torça para que os mesmo se acertem logo. É nesse fator que a autora pecou, Ivo não é um mocinho carismático, ele não desperta a simpatia do leitor e, em  nenhum momento me vi torcendo para que os dois ficassem juntos. Para falar a verdade muitas vezes torcia para que a autora colocasse um novo personagem e esse roubasse o coração de Cora.

Ivo é um personagem inútil  que quase não agrega nada a história. Cora é uma personagem tão cativante que merecia um par muito mais a sua altura. Eu sentia muita pena dela, diferente do que sentia por Ivo. Sei que a autora ao colocar um passado traumático ao personagem tentava ganhar a simpatia do leitor, mas sempre que eu percebia as ações dele eu via que ele não merecia a minha pena. Um herói completamente perfeito não é gostoso de se ler, mas um herói que é tudo menos HERÓI, aí a situação complica.

Um ponto positivo na história é que a autora procurou fazer um cenário o mais próximo possível da Inglaterra daquela época. Ela traz em sua escrita vários fatos históricos que irão encantar os aficionados por história, como eu. Por esse motivo acredito que o livro se encaixe muito mais em uma ficção histórica do que em um romance histórico, o romance é quase que um segundo plano, não temos arroubos apaixonantes e nem percebemos o amor entre os personagens. Sim, sabemos que Cora casou por amor, mas o seu marido em nenhum momento demonstra esse sentimento por ela. No final, quando a autora tinha a chance de reverter o quadro ao favor de Ivo ela simplesmente perdeu essa chance.

Recomendo a leitura para quem gosta de livros que abordam fatos históricos e que não são muito fãs de um romance bem meloso. Mas já para aqueles que gostam de uma leitura de arrancar suspiros, não é muito indicado.


2 comentários:

  1. Oi Jéssica,
    Eu não leio romances históricos com freqüência, mas o que sempre me ganha em seus enredos e a forma como o casal protagonista vai se apaixonado durante a trama. Pelo que pude perceber na sua resenha, isso não acontece em “Minha última Duquesa”, então vou deixar essa dica passar.

    *bye*
    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Waaaaa, você é das minhas flor… Não é por um passado traumático que vamos, de repente, esquecer das atitudes atuais do personagem e amá-lo incondicionalmente. Eu não consigo fazer isso. Diferente de você, no entanto, não sou fã de romances históricos, então sei que não lerei este livro… Mas compartilho da sua opinião sobre a leve decepção que nos acompanha quando a protagonista merecia coisa melhor (rs).

    Beijos, flor!

    ResponderExcluir