6 de maio de 2014

Villette ilustrado em pré-venda | @PedrazulEditora





Baseado na sofrida vida de Charlotte Brontë, Villette é o retrato mais nítido do escritor que dramatiza a própria vida. No papel de Lucy Snowe, dez anos após sua estadia em Bruxelas, ela narra a história de uma moça inglesa vitoriana que deixa seu passado trágico para trás e parte para uma viagem incerta. Na ficção, Bruxelas se transforma em Villette, que significa pejorativamente ‘cidadezinha’; o pensionnat Heger se transforma no pensionato de Madame Beck, inspirada em sua rival, Madame Heger, e Monseiur Constantin Heger se transforma em Monsieur Paul.


Ficção ou realidade? Charlotte Brontë, intencionalmente, retratou com precisão o período em que viveu em Bruxelas, a saudade de casa, a solidão, rejeições, paixões conflituosas, perseguições, e, por que não, amizades; sofrimentos e alegrias, enredos primorosamente transformados em arte. Uma obra-prima recheada de histórias de amor, cuja aceitação e rejeição estão lado a lado. Nessa emaranhada trama, na qual passado, presente e futuro se misturam num drama com toques de realidade, personagens como o doutor John, lady Bretton, Miss de Bassompierre, Miss Ginevra Fanshawe, Coronel De Hamal e muitos outros estão interligados entre si de forma admirável.

Com 600 páginas, incluindo a capa, a obra, traduzida por Fernanda Martins e Anaximandro Amorim, conta com 48 ilustrações de Luiz Carlos C. Pereira. Destas, 42 figuras abrem cada capítulo; três, de página inteira, convidam o leitor para cada volume e mais três, também de uma página, estão espalhadas pelo livro como um toque a mais de atrativo à leitura.

A introdução do livro traz informações relevantes sobre a estadia das irmãs Brontës em Bruxelas. Para escrevê-la, entrevistamos o pesquisador holandês que há 25 anos pesquisa as Brontës, Eric Ruijssenaars, autor de ‘Charlotte Brontë's Promised Land’, publicado pela The Brontë Society, na Europa, e ‘The Pensionnat Revisited’, este com um retrato preciso do pensionnat Heger que, como Ruijssenaars afirmou, inspirou ‘Villette’ e ‘O Professor’. Outra escritora entrevistada foi a britânica Helen MacEwan, autora de ‘The Brontës in Brussels’. Ambos foram enfáticos em afirmar que Villette é a biografia de Charlotte Brontë escrita por ela mesma.

Portanto, a obra Villette vem recheada para os fãs.

0 comentários:

Postar um comentário