23 de junho de 2014

Primeiro e Único - Lauren Sandler


Título original: One and Only: The Freedom of Having an Only Child, and the Joy of Being One
Autor: Lauren Sandler
Edição: 01
Editora: LeYa
Páginas: 288
Adicione: Skoob
Os mitos e as verdades sobre ter – e ser – filho único. A jornalista Lauren Sandler é filha única e tem um filho. Baseada em sua experiência pessoal ela investigou como é ter apenas um filho e como parar por aí. A resposta é uma conciliação entre maternidade e modernidade, um aprendizado sobre si mesma, e sobre a cultura em que vivemos. Lauren traz uma aguçada inteligência e paixão para a discussão sobre a ansiedade, a dúvida, a desinformação e a crítica sobre o que significa ser um filho único e ter apenas um filho.E se os pais não sentissem mais a necessidade de ter outros filhos para não mimar demais o primogênito? E se os livros nos disserem que uma criança não fica melhor – ou pior - com um irmão? Primeiro e Único examina todas essas questões, explorando o que a ascensão da família de um único filho significa para nossa economia, nosso meio ambiente e nossa liberdade. Por meio desta viagem, Sandler pode ter descoberto o tal código de felicidade, demonstrando que ter apenas um filho pode ser o caminho para resolver nossas incontáveis lutas da vida adulta na idade moderna.



Lauren Sandler é uma jornalista é filha única e tem apenas um único filho, diante de suas experiências ela resolve desmanchar o estigma que os filhos únicos carregam consigo. A autora tenta fazer com que o leitor entenda que nem todos os filhos únicos são solitários, egoístas, infelizes ou inteligentes demais, todos essas teorias que se tem em cima da criação de um único filho. 

Eu particularmente venho de uma família grande, tenho 4 irmãos e nossa relação foi sempre maravilhosa, não consigo me imaginar sendo uma filha única e, francamente, não sei se esse fosse o caso se iria gostar. Mas analisando os dias atuais é senso comum percebermos que se você quer ter uma família e viver com qualidade não se é possível ter muitos filhos. Afinal, todos nós sabemos que para educar, vestir e alimentar uma criança, hoje em dia, é muito caro. Sem falar que você tem que ter CERTEZA de que é isso mesmo que você quer, após você colocar no mundo uma criança não existe devolução.

Sandler deixa isso bem claro, além de ressaltar que filhos únicos não são melhores ou piores do que filhos com irmãos. A nossa sociedade hoje em dia vê com maus olhos a mãe que decide ter apenas um filho, é como se quando você decidisse optar por ter apenas um filho você estivesse delegando para a criança o pior destino. Afinal, como essa criança poderá ser feliz tendo apenas os pais como companhia? Ela com certeza precisará de um irmãozinho para brincar. Óbvio que tudo isso não passa apenas de preconceitos, uma criança que é filho único pode ser tão ou mais feliz do que uma que possua irmãos, tudo vai depender da criação que seus pais vão lhe dar.

Ter ou não apenas um filho depende de cada pessoa, depende daquele tão falado planejamento familiar que nós brasileiros a maioria das vezes, se não sempre, deixamos de lado. O fato é que não importa se você vai ter um ou dez filhos, você tem que estar ciente que ter uma família é uma responsabilidade para a vida toda. Saber que a partir daquele momento você é responsável por um outro ser que por muito tempo irá depender exclusivamente de você.

A mensagem que a autora nos passa é que se você quer ter apenas um filho, vá em frente e realize a sua vontade. Não dê bola para o que a sociedade estipula, não dê ouvidos para aquela sua vizinha que quer porque quer convencer você que uma família numerosa é muito mais feliz do que uma pequena. Forme a sua família e seja FELIZ não importando o número de filhos que você tenha.



Cotação:

Um comentário:

  1. A capa desse livro é linda, mesmo com sua resenha positiva, não sei se leria ele, mais parece ser interessante.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir