20 de janeiro de 2015

Perdido em Marte - Andy Weir


Título original:  The Martian
Autor: Andy Weir
Edição: 01
Ano: 2014
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
Adicione: Skoob
Há seis dias, o astronauta Mark Watney se tornou a décima sétima pessoa a pisar em Marte. E, provavelmente, será a primeira a morrer no planeta vermelho. Depois de uma forte tempestade de areia, a missão Ares 3 é abortada e a tripulação vai embora, certa de que Mark morreu em um terrível acidente. Ao despertar, ele se vê completamente sozinho, ferido e sem ter como avisar às pessoas na Terra que está vivo. E, mesmo que conseguisse se comunicar, seus mantimentos terminariam anos antes da chegada de um possível resgate. Ainda assim, Mark não está disposto a desistir. Munido de nada além de curiosidade e de suas habilidades de engenheiro e botânico e um senso de humor inabalável , ele embarca numa luta obstinada pela sobrevivência. Para isso, será o primeiro homem a plantar batatas em Marte e, usando uma genial mistura de cálculos e fita adesiva, vai elaborar um plano para entrar em contato com a Nasa e, quem sabe, sair vivo de lá. Com um forte embasamento científico real e moderno, Perdido em Marte é um suspense memorável e divertido, impulsionado por uma trama que não para de surpreender o leitor.

Mark Watney é um dos seis astronautas que pousam em Marte, fazendo assim a terceira missão tripulada ao planeta vermelho, mas uma grave tempestade de areia obriga-os a deixar o planeta apenas alguns dias depois de terem chegada em vez de ficarem um mês. como era o planejado. Durante o processo Mark sofre um grave acidente e é considerado morto pelos outros astronautas. Esses, relutantemente iniciam sua volta à Terra, deixando "o corpo" de Mark para trás.

Agora preso em Marte sem comunicação com a Terra, Mark enfrenta uma dura realidade. Os sistemas de recuperação de oxigênio e de água podem fornecer o suficiente de ambas as substâncias para garantir a sua vida, desde que ele faça algumas "gambiarras",  mas seus suprimentos foram mandados para durar somente trinta dias. Mesmo que ele racione a sua comida e consiga entrar em contato com a NASA, a física lhe diz que uma missão de resgate é incapaz de chegar antes que ele morra de fome.

Isso seria o suficiente para que a maioria das pessoas simplesmente desistisse e começasse a chorar. Mas Watney é um astronauta, praticamente um mutante, e não se deixa abalar pela situação. Então, depois de rapidamente adaptar-se à situação, Mark começa a trabalhar. Mas será que seus conhecimentos em botânica e engenharia, juntamente com um talento especial para improvisação com fitas adesivas serão suficientes para ajuda-lo a sobreviver tempo suficiente para chegar em casa?

Eu sou uma apaixonada pelo espaço, adoro tudo que tenha a ver com viagens espaciais, foguetes e afins. Acredito que já olhei todos os documentários existentes sobre esses assuntos, sendo assim não é nenhuma surpresa que fiquei presa do início ao fim dessa leitura.

Claro que não posso dizer que fiquei completamente apaixonada pelo livro somente porque este trata-se viagens espaciais, uma grande parte, senão a maioria, do meu encantamento tem a ver com o próprio Mark. Ele é um personagem que não se deixa levar pela autopiedade, uma boa parte do livro é feita com seus pensamentos e descrição do seu dia, algo como um diário feito para que se ele não se salvasse pelo menos deixaria suas memórias. Nesse seu diário Mark deixa-se levar pelo o bom humor e tiradas sarcásticas, não é difícil encontrar alguma passagem onde ele não tire uma onda de sua atual situação.

Logo que você se depara com um comentário espertinho sobre como ele vai ser um dos primeiros homens a morrer em Marte, você até pode pensar que de acordo com o autor os padrões da NASA devem ter diminuído muito. Mas se você ler nas entrelinhas perceberá que o que ele realmente está fazendo é resolver um problema praticamente insolúvel com seu intelecto e humor.

Apesar de sua persona otimista, Weir faz um belo trabalho ao sutilmente mostrar que o tempo sozinho em Marte está cobrando um preço de Mark, deixando-o ocasionalmente angustiado e cansado. Isso é muito mais eficaz do que se ele criasse uma trama onde o personagem desde o primeiro instante se revoltasse com a situação de ser o único ser vivo em um planeta inteiro.

Outro recurso que o autor utiliza é a luta contra o calendário, não o relógio. Mark sabe que ele não vai morrer em uma hora, no dia seguinte ou até mesmo no próximo mês (caso nada dê errado!). Ele tem feito cálculos, e a matemática não mente. Se ele não mudar drasticamente a situação ele eventualmente irá morrer. Toda essa tensão e estimulação deliberada, faz com que o leitor pense e analise a situação que Mark se encontra.

O que me leva a outro ponto que amei. A falta de negação. Todas as ações feita por Mark são para evitar a sua morte, ele não entra em um estado de negação e deixa-se levar pela situação. Desde o primeiro instante ele percebe que precisa fazer algo e rápido, pois a morte está logo ali.

Enfim, acredito que não tenho mais o que dizer além do fato que "Perdido em Marte" estréia no cinema em 26 de novembro deste ano e que com certeza indico muuuuito a leitura.

Cotação:

7 comentários:

  1. Oiee

    O livro parece ser interessante, gostei muito da resenha e só tenho ouvido elogios.

    Beijos

    www.livrosechocolatequente.com.br

    ResponderExcluir
  2. Parece ser um livro bem interessante
    Gostei bastante da resenha e me chamou atenção

    Beijos
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Já gostei do livro, antes mesmo de ler.
    Uma ótima resenha, parabéns. Ah... Seu blog é um luxo.

    Beijinhos
    http://cabinedeleitura1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá Jéssica, tudo bem?
    Sua resenha me deixou curiosa para ler esse livro, vou ver se consigo comprar haha
    Espero sua visita em Doce Literário *-*
    http://www.doceliterario.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi Jéssica!
    Adorei o blog, muito fofo e organizado! ^^

    O livro parece ser super interessante, se eu fosse alguma produtora de filmes, já estaria de olho pra fazer um filme sobre ele! hahahahaha Imagina, só? Ia dar um filme super legal e diferente!

    Beijos! Oh My Feels!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, Jessica, não conhecia o livro, mas com certeza entrou pra minha lista. Parece realmente ser uma narrativa muito interessante.
    Abraços! :)

    ResponderExcluir
  7. Oi Jéssica,
    Estou louco para ler Perdido em Marte desde que vi ele entre os mais vendidos da amazon americana, e seus comentários apenas me deixaram mais empolgado.
    Não sabia que o livro tinha sido adaptado para as telonas. Vou ter que conferir tbm.
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir