1 de fevereiro de 2015

Eu, Robô - Isaac Asimov


Título original: I, Robot
Autor: Isaac Asimov
Edição: 01
Ano: 2014
Editora: Aleph
Páginas: 320
Adicione: Skoob
'Eu, robô' reúne os primeiros textos de Isaac Asimov sobre robôs, publicados entre 1940 e 1950. São nove contos que relatam a evolução dos autômatos através do tempo, e que contêm em suas páginas, pela primeira vez, as célebres 'Três Leis da Robótica' - os princípios que regem o comportamento dos robôs e que mudaram definitivamente a percepção que se tem sobre eles na literatura e na própria ciência.

É 2057 e um repórter da imprensa interplanetária está entrevistando Susan Calvin, uma psicologa de robôs que acaba de se aposentar. Querendo fazer uma matéria mais sobre o ponto de vista humano, o repórter faz que Susan revele a evolução da tecnologia robótica, e a evolução dos robôs que eram apenas máquinas à uma ordem superior de pensamento.

A primeira história se passa em 1998, fala sobre um dos primeiros robôs que surgiu entre os humanos, ele se chamava Robbie e ele não possuia a capacidade de falar. Na verdade nessa época nenhum robô possuia essa habilidade. Robbie era babá de uma menina exigente chamada Gloria. A mãe de Glória não está feliz com a relação que a filha tem com sua babá, sendo assim faz de tudo para que o marido se desfaça do robô. Mas Gloria, que apesar de ser uma menina difícil, ama muito Robbie e não vai aceitar a decisão tão facilmente. Nesse conto o autor já deixa claro a questão dos robôs terem sentimentos e Robbie é apresentado como um personagem com uma personalidade única e clara.

As outras histórias seguem Greg Powell e Mike Donavan, dois astronautas, em estações espaciais especiais ou em outros planetas, e mostram como eles lidam com robôs rebeldes ou como a Dra. Calvin investiga robôs tortuosos, um robô que lê mente e um político que só pode ser um robô. Cada história apresenta os mesmos personagens e de certa forma elas estão interligadas, mas também cada conto pode ser lido separadamente sem nenhum problema.

A maioria das pessoas tende a esperar que a ficção científica seja um gênero de difícil leitura e por muitas vezes massante, principalmente pelo seu  foco em ciência, tecnologia e todo o fator não humano, Não vou mentir, eu prefiro histórias com personagens humanos e que não possuem nada de extraordinário, mas Eu, Robô fez com que eu me apaixonasse por essas máquinas. O livro é muito bem escrito, temos algumas partes bem descritivas do processo de criação dos robôs, mas não é nada que lendo atentamente você não consiga entender.

Uma das coisas que mais me chamou a atenção é forma com que Isaac cria leis para que os robôs possam viver na comunidade humana, por assim dizer. As três leis da robótica são:
1) Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal.
2) Um robô deve obedecer às ordens dadas por seres humanos, exceto quando essas ordens entrarem em conflito com a Primeira Lei.
3) Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e Segunda Lei.

Os contos de Eu, Robô giram em torno dessas três leis fundamentais que são uma parte intrínseca do cérebro positrônico dos robôs e com isso surgem algumas perguntas muito interessantes. De certa forma, o robô é uma analogia para a sociedade atual em que vivemos: você cria algo para servi-lo, mas você o cria de tal forma que ele acaba tornando-se superior a você, e age independente de você. Os robôs e máquinas (super-cérebros que possuem a personalidade de uma criança de cinco anos de idade) não só enfrentam os humanos com sua própria inferioridade, perguntando "por que devemos obedece-lo quando somos superior a você?", mas também tornam os seres humanos quase que redundantes. Questões como robôs que possuem direitos ou que possuem alma, não são diretamente abordadas aqui, mas certamente os robôs dessas histórias mostram que as únicas coisas que os seguram para não dominar o mundo, são  as três leis. Eles foram, afinal, feito à imagem do homem, por assim dizer.

Eu não conhecia o trabalho de Isaac e muito menos sabia que Eu, Robô foi escrito em 1950. Para mim isso foi uma grande surpresa, afinal Eu, Robô é uma leitura tão atual que fica complicado imaginar que ela foi escrita à tanto tempo. Como disse, não sou fã desse gênero, mas Isaac Asimov conseguiu me prender de uma forma que é impossível não dizer que esse é um dos melhores livros que li até hoje. Recomendo muito a leitura, principalmente se você for fã de ficção científica.

Cotação:

17 comentários:

  1. Quero MUUUUUUUUUUUUUUUUITO esse livro!
    Mas não posso comprar nada até março!!!
    Quem sabe depois né!?

    Beeeeijos
    Gio - Clube das 6
    www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir
  2. Meu namorado tava lendo esse livro e ele me falou mesmo que é muito bom, eu estou louca para ler ele hehe Tambem não conhecia as obras do escritor, e estou muito curiosa para conhecer sz
    http://teoremademari.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. O autor não faz muito meu gênero. Já tentei ler alguns livros dele, mas tive que abandonar. O filme baseado no livro, eu gostei bastante, mas acho que do livro, eu não iria gostar.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Eu acho que esse é o meu tipo de livro!
    Fiquei tentando adivinhar se é parecido com aquele filme com o Will Smith, mas não consegui descobrir heheh
    Anyway, adoro ficção científica, e adoro esses tipos de tramas "que foram escritas há muito tempo e ainda são muito atuais"

    Beijos! Oh My Feels!

    ResponderExcluir
  5. Eu costumo não gostar muito de ficção científica porque algumas histórias do gênero são bem "viajadas", mas gostei muito dessa em especial porque a robótica é um tema que está cada vez mais perto da nossa realidade, então acho que vou adorar a leitura. Parabéns pela resenha, ficou muito boa!

    Tem sorteio rolando no blog!
    Beijão, www.opinada.com

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Também não sou fã de ficção cientifica, mas essa é a segunda resenha que leio sobre esse livro que me deixa onteressada e curiosa para ler algo do gênero.
    Quem sabe futuramente eu tenha a oportunidade de lê-lo, né?
    Beijos

    >> Vem participar do top comentarista do mês. Está valendo um vale presente e um livro surpresa!<<
    Construindo Estante || Facebook

    ResponderExcluir
  7. Oi, Flor! Tudo bom?
    Essa mistura de robôs, sentimentos e humanos me lembra muito O Homem Bicentenário, filme que me faz chorar muito, principalmente depois que ele se completa. No fundo sempre acho engraçada essa história da mãe começar a ter ciúmes da babá, mas de um robô? Acho que ela não vai conseguir desfazer o laço dessa relação.
    Mesmo tratando-se de histórias diferentes e tendo um ponto de ligação, todas parecem ter algo muito mais do que em comum, todo esse clima de conflito, tudo de humano versus robô, uau, já estou sem fôlego. Adorei ver que o livro recebeu nota máxima, e lá vou eu no Skoob adicionar essa beleza na minha lista!

    Beijinhos,
    www.percepcoes.blog.br

    ResponderExcluir
  8. Li esse livro a algum tempo atrás e gostei bastante, depois dessa resenha acredito que esteja na hora
    de reler para relembrar algumas partes que o tempo fez o favor de cobrir.

    Beijinhos linda e uma ótima semana.
    http://cabinedeleitura1.blogspot.com.br/2015/02/unboxing-joia-rara.html

    ResponderExcluir
  9. Oii!!

    Que legal conhecer o livro, pois o autor é um sucesso na ficção científica. Confesso não curtir muito o tema, mas sei da importância dele na sociedade evolutiva. Vou deixar essa leitura para quem entendo do assunto hehe.

    beijos

    http://mundo-restrito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oie,
    Leio poucos livros do gênero, prefiro os filmes. Mas o livro me chamou a atenção e eu gostei muito da sua resenha. Se eu não estou enganada essas mesmas três leis são enunciadas desta mesma maneira em AI- Inteligência Artificial. (Se não foi esse foi outro que eu assisti.)
    A história é interessante.
    Beeijo!!


    Grazy
    meusantidotos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oii Jé!!

    Eu não sou fã também desse genero, mas sua resenha me fez ficar com vontade de ler. Principalmente por saber que é uma leitura atual. Normalmente fujo delivros mais antigos com medo da escrita me fazer desistir.
    Gostei e achei bem fofa essas leis criadas. Mudei todo o meu conceito sobre a obra e espero ler em breve!


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Jéssica, tudo bem? Não conhecia o livro e curti. Não sou tão fã de ficção científica, mas curto :)
    E a sua resenha ficou muito legal e nos anima a ler, ainda mais quando você diz que foi um dos melhores livros que já leu :)
    Fiquei curiosa para conhecer.
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oii...
    Parabéns pela resenha, ficou muito interessante e me chamou a atenção.
    Gosto de ficção científica, na verdade, gosto de vários gêneros literários, o que realmente importa é o livro ser bom e a leitura prazerosa.
    Ainda não li esse livro, na escola em que leciono tem, mas em uma edição antiga, vou pegar para ler.
    Beijinhos ;**
    Leitora Online

    Instagram | Twitter | Facebook

    ResponderExcluir
  14. Oi Jéssica, tudo bem?
    Adoro contos, e não conhecia o livro, eu também não sou muito fã desse gênero, mas tenho que confessar que fiquei curiosa em relação a sua resenha, e quero muito ler o livro (essa capa é tão linda), gostei muito da primeira história, e quero saber oque acontece, beijos Lost Words

    ResponderExcluir
  15. Acredita que ainda não li nada de ficção científica? Acho que esse livro seria uma ótima opção para eu começar a embarcar nesse estilo de literatura.
    Ótima resenha, e fiquei bem interessado pelo livro.

    www.booksever.com.br

    ResponderExcluir
  16. Olá!

    Nunca li nada sobre robôs, porém esse livro parece ser bem diferente.
    Abraços, Heitor!
    shakedepalavras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Uma das coisas que mais me impressionei quando li este livro, foi justamente as três leis da robótica. Achei isso genial. E me surpreendeu também quando soube o ano que o livro foi escrito, porque permanece tão atual.

    Minhas Impressões

    ResponderExcluir